Vale do Douro

Encontrará aqui um lugar encantado, repleto de paisagens naturais de tirar o fôlego, que interagem com a capacidade dos homens de transformar esta terra áspera, num dos néctares mais divinos do mundo: o Vinho do Porto. Em 1756, a região de Vinhos do Douro foi criada e hoje é classificada como a primeira região vinícola demarcada do mundo; por último, mas não menos importante, em 2001 também seria considerada Património Mundial.

O belo cenário ribeirinho, reforçado por vastas vinhas esculpidas em terraços nas encostas das colinas íngremes, oferece uma paisagem que acalma os sentidos e permite contemplar uma das paisagens mais pitorescas e panorâmicas da Europa.

Mas esta região é famosa por outras coisas além do vinho: sinais de homens pré-históricos são vistos nas antigas pinturas rupestres em Vila Nova de Foz Côa. Em outros lugares, castelos medievais, conventos e pequenas igrejas românicas pontuam a paisagem, conjuntamente com as vinhas. Também a história é evocada pelas mansões, como a barroca Casa de Mateus, perto de Vila Real, ou nos grandes santuários do século XVII, como Nossa Senhora dos Remédios, em Lamego, que desempenha um papel tão importante na devoção religiosa das gentes do Douro.

Enogastronomia no Vale do Douro

Quando se fala de vinho, o Vale do Douro não precisa de muita introdução. Afinal, é a região vinícola demarcada mais antiga do mundo, particularmente famosa pela produção do Vinho do Porto, único no mundo, além de vários outros tintos premiados mundialmente. Este é o único lugar em todo o mundo onde é possível produzir o verdadeiro Vinho do Porto. E que melhor do que tomar um copo de um Tawny de 20 anos ou um espetacular Porto Vintage com vista para as belas vinhas onde nasceram? Tente e verá que as palavras são desnecessárias…

No entanto, a Gastronomia Portuguesa continua a ser um mistério para a maioria dos amantes da comida, embora seja um dos países onde melhor se come na Europa.

No passado, e ainda nas áreas rurais do vale do Douro, as famílias criavam o seu próprio gado e cultivavam a sua própria comida. Em Portugal, é comum as pessoas ainda fabricarem pão, azeite e vegetais frescos cultivados. O mesmo se aplica aos restaurantes no Douro. A cozinha do Douro tem menos a ver com aparência e muito mais com gosto. Utilizando ingredientes locais, produtos frescos, os pratos do Douro são o melhor exemplo melhor comida caseira, rústica, real e cheia de sabor.

Um paraíso para os amantes de vinho, é uma delícia provar no Douro os diferentes tipos de vinhos do Porto ou apreciar os vinhos tranquilos robustos e solarengos. Mas a região também é rica em outros produtos deliciosos, como amêndoas, castanhas, cerejas, cogumelos selvagens e produtos regionais como azeite, mel, salsichas, enchidos de fumeiro e carnes curadas. A gastronomia Duriense combina com os seus vinhos: as refeições são fartas e saudáveis, principalmente à base de carne e caça, mas e como não poderia deixar de ser em Portugal, com a presença de muitos pratos deliciosos de peixe à sua mesa.

Património no Vale do Douro

Como em qualquer outra parte de Portugal, a história é encontrada por trás de cada detalhe no Vale do Douro. Desde as uvas geradas por vinhas envelhecidas, com os seus aromas antigos e concentrados, até às Quintas com famílias que dedicaram suas vidas à produção do Vinho do Porto, tudo é cercado por histórias e história.

É o caso de um centro religioso como Lamego, uma cidade monumental, onde se estabeleceram os primeiros membros da realeza Portuguesa. Com uma herança cultural e religiosa delimitada, esta cidade está cheia de igrejas, capelas e monumentos da era medieval. Seu ex-Libris é o Santuário e a escadaria da Nossa Senhora dos Remédios, construídos no século XVIII e local de passagem para os peregrinos que se dirigiam a Santiago de Compostela. Um monumento à história do vinho no mundo também é Pinhão. Esta bonita cidade situada junto ao rio, com a sua estação ferroviária de azulejos azuis e a ponte em arco feita de ferro, é um epicentro da produção de vinho e de algumas das quintas mais conhecidas do Douro.

Continuando nas montanhas para nordeste de Portugal, existe um afluente do rio Douro com um nome universalmente reconhecido: é o Côa, conhecido pela arte rupestre antiga espalhada ao longo do último trecho do rio. Os afloramentos de xisto no vale foram convertidos em telas de arte ao longo dos milénios, contendo milhares de motivos gravados que são o legado do instinto criativo dos nossos ancestrais. Como uma imensa galeria ao ar livre, o Vale do Côa apresenta mais de mil afloramentos com arte rupestre, identificados em mais de 80 locais diferentes, predominantemente do Paleolítico Superior, há cerca de 25.000 anos.

 

Natureza no Vale do Douro

O Vale do Douro poderia facilmente ser chamado de vale encantado, tal é a beleza e a magia que irradia das suas paisagens.

As demarcações das vinhas do Douro foram determinadas em 1756, tornando-a na região vinícola demarcada mais antiga do mundo. No entanto, a colheita da uva e a produção de vinho remontam a 2.000 anos atrás e foi sem dúvida o contributo do trabalho do povo Duriense que levou ao reconhecimento das vinhas como Património Mundial da UNESCO.

Vinhas em socalcos que sobem e descem as colinas de cada lado do rio são responsáveis pela paisagem de tirar o fôlego da região. Portugal é um país repleto de belezas naturais, mas o Vale do Douro é considerado uma das “jóias da coroa” do país.